quinta-feira, 16 de junho de 2016

Jessier Quirino - O matuto e o coroné - eleição


Jessier Quirino, Arquiteto por profissão, poeta por vocação, matuto por convicção. Nasceu no ano de 1954 na cidade de Campina Grande, Paraíba e é filho adotivo de Itabaiana também na Paraíba, onde reside desde 1983.

Preenchendo uma lacuna deixada pelos grandes menestréis do pensamento popular nordestino, o poeta Jessier Quirino tem chamado a atenção do público e da crítica, principalmente pela presença de palco, por uma memória extraordinária e pelo varejo das histórias, que vão desde a poesia matuta, impregnada de humor, neologismos, sarcasmo, amor e ódio, até causos, côcos, cantorias músicas, piadas e textos de nordestinidade apurada.

Apesar de muitos considerá-lo um humorista, opta pela denominação de poeta, onde procura mostrar o bom humor e a esperteza do matuto sertanejo, sem, no entanto fugir ao lirismo poético e literário.

Para aqueles que reconhecem o linguajar matuto, ler ou ouvir as obras-primas desse artista é como viajar ao sertão sem sair do canto. Cada expressão que inclui em seus versos é a mais pura encarnação do matuto. As palavras parecem ser destiladas em alambique de cobre antes de serem oferecidas como pequenas doses de alegria. É o típico poeta erudito que nos deleita com as variedades regionais da língua portuguesa e enriquece a todos com seu fabuloso espírito nordestino.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por interagir conosco