domingo, 31 de agosto de 2014

QUATRO PERNAS PENDURADAS NO PREGO DA SEDUÇÃO

Botei na trouxa da mão
Um casá de aliança
Finalmentando a pidança
Do meu pedido de mão.

Se amarremo na saúde
Na doença e no viver
Botemo pra derreter
E tome sussurração.

Sussurro velorioso
Como manda o figurino
No derretês do mais fino
Falei denganças de amor:

Minha manteiguinha Turvo
Meu vidro de lambedor
Estátua de paciência
Meu alpendre ventador
Profundas das jardinagem
Mistéria das aromagem
Do perfumismo do amor.

Nós somo dois Shakespeare
Shakespearando a paixão
Com a toalha do luar
Luarando a imensidão
Duas vida emparreada
Quatro perna pendurada
No prego da sedução.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por interagir conosco