quarta-feira, 13 de agosto de 2014

NO SERTÃO QUE A GENTE MORA

Um casarão alpendrado
Sentindo a falta do dono,
Hoje vive no abandono
Com o pé direito rachado.
Um angico desfolhado
Já não sombreia o batente
E a porta velha da frente
O cupim já lhe devora
No sertão que a gente mora
Mora o coração da gente.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por interagir conosco