sexta-feira, 3 de setembro de 2010

POR R$ 20,00: Paraibano anuncia no Mercado Livre que está vendendo o voto para senador e deputado estadual

Tradicionalmente a história ocorre assim: o candidato ou os seus cabos eleitorais vão a uma comunidade pobre, abordam as pessoas e, prometendo dinheiro, emprego ou outros tipos de benefícios, compram os votos delas. A corrupção eleitoral sempre funcionou assim. Pelo menos até agora, quando o leque de opções foi ampliado pela internet. Atualmente há pessoas vendendo voto até no Mercado Livre.

O caso, bastante curioso, tem um paraibano de João Pessoa como personagem. Identificado no Twitter como @josafapfilho, o dono do anúncio no Mercado Livre diz estar disponível para vender o voto dele para deputado estadual e para senador, por valores individuais ou em pacote, mas se mostra disposto também a negociar a troca por telhas ou tijolos. Tudo vai depender da proposta.

Para definir o valor, o internauta colocou o produto (voto) no leilão disponível no Mercado Livre, onde quem oferecer o maior valor leva. Os lances podem ser feitos até o dia 10 deste mês. O valor atual é R$ 20. O vendedor deixa claro que não aceita a negociação através do “Mercado Pago”, que oferece ao usuário a possibilidade de quitar o débito apenas depois de o comprador comprovar o recebimento do produto.

Procurado pela reportagem, o delegado da Polícia Federal, Derly Brasileiro, informou que a compra de voto, assim como a sua venda, é crime eleitoral e pode resultar em prisão. No entanto, levando em consideração que a intenção do eleitor seja apenas uma sátira à compra de votos, talvez isso não seja crime. “Pode ser apenas uma brincadeira, sem a verdadeira intenção de fazer o negócio”, ressaltou.

O delegado, no entanto, deixou claro que vai querer ouvir o autor da venda do voto. “Como há formalidades para o registro de um produto no Mercado Livre, creio que não será difícil chegar ao autor. Certamente vamos ouvi-lo”, ressaltou Derly Brasileiro, que se encontra em uma operação pelo Brejo paraibano para investigar denúncias de compra de voto.

Ainda sobre o Mercado Livre, o responsável pela negociação informa que colocará anúncios a cada 10 dias. Como atualmente ele está oferecendo apenas os votos para deputado estadual e para senador, ainda restam os para presidente, governador e deputado federal.

Suetoni Souto Maior/O norte

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por interagir conosco